“É livre a manifestação do pensamento e da expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, sendo vedado o anonimato. (CF 88).”

30 de mar de 2011

Dinheiro de merenda era usado para pagar ração e uísque em AL


Sílvia Freire – São Paulo
Dinheiro público que deveria ser usado para a merenda escolar em municípios do interior de Alagoas foi desviado para a compra de uísque e ração para cachorro. A suspeita é resultado de uma investigação conjunta entre Ministério Público Federal, Controladoria Geral da União e Polícia Federal em nove municípios do Estado.
A estimativa é que em dois anos tenham sido usados indevidamente R$ 8 milhões em recursos federais destinados à merenda.
A PF (Polícia Federal) deflagrou na madrugada desta quarta-feira uma operação para cumprir 16 mandados de prisão temporária e 28 de busca e apreensão nas prefeituras de Girau do Ponciano, Poço das Trincheiras, Estrela de Alagoas, Senador Rui Palmeira, Belo Monte, Limoeiro de Anadia, Lagoa da Canoa, Traipu e Craibas.
Entre os presos estão ex-prefeitos, primeiras-damas e parentes de prefeitos que ocupam cargos nas administrações municipais, além de gestores públicos. A PF não divulgou o nome dos suspeitos. Todos os mandados foram expedidos pela Justiça Federal em Arapiraca (AL). Nenhum prefeito está entre os presos. A competência para investigá-los é do Tribunal Regional Federal da 5ª Região, com sede em Recife.
Segundo José Godoy, procurador da república em Arapiraca (122 km da capital), há suspeita de que o dinheiro desviado tenha sido usado também para pagar as compras semanais na casa dos suspeitos.
"Essa operação denota uma cultura muito nefasta de alguns gestores, de tratar a coisa pública com se fosse bens privados", disse Godoy. 'Usam o dinheiro da merenda para fazer as compras diárias da casa e de artigos de luxo.'"
Durante as investigações, crianças de escolas visitadas disseram que só tinham biscoito para comer. Em outras, só havia merenda para os primeiros 15 dias do mês. Nos demais, as crianças não comiam.
Segundo o procurador, o quadro encontrado nas escolas em relação à quantidade e qualidade dos alimentos oferecidos às crianças não batia com as notas fiscais nem com as licitações feitas pelas prefeituras para compra de merenda.
A operação realizada hoje é uma continuação de uma ação realizada em outubro de 2010, na qual sete pessoas foram presas suspeitas de fraudes nas licitações de merenda no Estado.
Segundo o procurador, os documentos apreendidos e os depoimentos obtidos após a primeira operação mostraram que as possíveis irregularidades iam além da fraude em licitações e abrangiam também desvio de dinheiro.
Fonte:

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Você poderá deixar aqui sua opinião. Após moderação, será publicada.

Contador de caracteres