“É livre a manifestação do pensamento e da expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, sendo vedado o anonimato. (CF 88).”

14 de dez de 2010

Luta armada foi criminalizada?

_________________________________________

Réu, chamado de “chefe de quadrilha”, pede controle da mídia. Faz sentido!
Por Reinaldo Azevedo
A Central única dos Trabalhadores promoveu ontem um evento chamado “Democracia e Liberdade Sempre”. Conferiu prêmios a alguns batutas que, a seu juízo, foram expressões nessa área. Entre eles, estava José Dirceu! O encontro também serviu como um desagravo a Dilma Rousseff porque a Central considera que a sua opção, no passado, pela luta armada foi criminalizada. Ué! Achei que ela só tocasse piano e lesse poesia na VAR-Palmares… Não vão me dizer agora que ela pegou em armas e até participou do planejamento de assalto a bancos! Estou chocado! Pois bem: se a patuscada era para celebrar “democracia” e “liberdade”, nada como descer o porrete na “mídia”, certo? Foi o que fez o deputado cassado por corrupção José Dirceu, réu que a Procuradoria Geral da República chama “chefe de quadrilha”.
Pois bem: ele disse que a “mídia” precisa, sim, de regulação, “como existe nos EUA, na França e na Inglaterra”. Mas, ressalvou o agora “consultor de empresas privadas”,  há de ser uma regulação adaptada à nossa realidade. Ocorre que a regulação “adaptada à nossa realidade” já existe. Pode até ser aperfeiçoada, mas é uma farsa grotesca essa história de que o setor existe num vácuo legal. A quem interessa essa mentira? Àqueles que, sob o pretexto de nos propor uma “técnica”, querem nos impor uma “política”.


(...)



AS ARMAS

No evento da CUT, Dirceu afirmou que a eleição de Dilma representa a chegada da Geração de 68 ao poder e fez sua leitura sobre o passado. Lamentou que tenha sido a “centro-direita” a fazer a transição democrática: “Uma hegemonia que prevaleceu até a vitória do Lula. E que ainda tem presença nos nossos governos pelas condições e características do nosso processo político.” Também fez sua releitura da luta armada: “Quem pegou em armas foi a ditadura. As armas que a nação entregou às Forças Armadas para defender a Constituição e a democracia, elas usurparam para impor ao País uma ditadura. E foi contra ela que nós nos levantamos e resistimos.”

Há vários problemas aí. Dirceu não teve o papel “heróico” que atribui a si mesmo. Nunca ninguém o viu de arma na mão lutando contra a ditadura. Não que devesse. Mas cumpre não lhe atribuir uma coragem, ainda que doidivanas, que não teve. A centro-direita que fez a transição lhe foi bastante útil. Enquanto ela cuidava da democracia, ele vivia na clandestinidade no Paraná, sob identidade falsa, enganando a própria mulher, Clara Becker, fazendo-a acreditar que ele era Carlos Henrique Gouveia de Melo. Veio a anistia, ele pegou um velho retrato e revelou: “Eu não sou eu; sou outro, este aqui da foto”. E pôs fim ao casamento. Eu me vejo tentado a indagar se ele teria revelado a sua real identidade e desfeito a união sem a anistia. Acho que não! Sua mulher era uma peça involuntária de sua necessidade política da época. No mundo de Dirceu, quem casou com Clara foi o Carlos,  não ele…

Não há dúvida de que se implantou uma ditadura no país. Mas é preciso um mínimo de rigor. Não é que Zé e seus amigos não gostassem de um regime de força; eles gostavam, mas queriam outro, não aquele. Não por acaso, quem deu uma nova cara ao rapaz foram cirurgiões cubanos.

Continue lendo em:
http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/reu-chamado-de-%E2%80%9Cchefe-de-quadrilha%E2%80%9D-pede-controle-da-midia-faz-sentido/

Veja o final do primeiro vídeo  AQUI  e ouça a confissão: "Você joga a bomba, e eu vou dar uma rajada".

LINK ME
BannerFans.com

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Você poderá deixar aqui sua opinião. Após moderação, será publicada.

Contador de caracteres