“É livre a manifestação do pensamento e da expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, sendo vedado o anonimato. (CF 88).”

19 de out de 2010

Secrets that the PT does not want to reveal

___________________________________________


Segredos que o PT  não quer revelar:     




Casa Civil

A Comissão de investigação das denuncias dos escândalos na Casa Civil,i criada por Erenice, antes de seu afastamento da Casa Civil,  pediu para prorrogar o prazo de investigação (mais trinta dias).

►O que há de tão grave – além do que já sabemos – que o presidente Lula teme  tanto?  O resultado da investigação abortaria Dilma da Campanha eleitoral?

Privatização

Bem ao contrário do que trombeteiam seus programas eleitorais na TV, a candidata do PT a presidente, Dilma Roussef, trabalhou durante toda a sua primeira administração como secretária gaúcha das Minas e Energia (1.12.1993 A 2.1.1995) no governo do PDT,  para privatizar a CRT, a Companhia Riograndense de Telecomunicações. Quando saiu do governo, foi contratada pela RBS para ajudar a conceber a aliança com a Telefônica de Espanha para privatizar a CRT.

Durante o governo do PDT, que foi de 1991 a 1994, a mando de Dilma Roussef, seu então subordinado, o presidente da CRT, Milton Zuanazzi, homem que ela levaria  no governo Lula para a Anac, fez várias viagens a Santiago para afivelar o negócio com a CTC, a Companhia Telefônica do Chile, então controlada pela Telefônica de Espanha. O negócio não saiu. (http://polibiobraga.blogspot.com/2010/10/exclusivo-saiba-como-dilma-roussef_13.html?ref=nf )

►Esse detalhe o PT não conta!

Apelo aos Brasileiros

A Polícia Federal apreendeu no último domingo (17) panfletos encontrados em uma gráfica de São Paulo com uma mensagem contrária ao PT e à candidata do partido à Presidência da República, Dilma Rousseff. A entidade cumpriu uma determinação do TSE (Tribunal Superior Eleitoral). O material ficará retido até que haja uma nova orientação judicial.

O texto, intitulado “apelo a todos os brasileiros e brasileiras”, pede aos católicos que deem seus votos somente a candidatos ou candidatas e partidos que sejam contrários à descriminalização do aborto.

Leia a íntegra do manifesto: http://www.cnbbsul1.org.br/arquivos/defesavidabrasil.pdf


OS GASTOS DO GOVERNO NO CARTÃO CORPORATIVO É “Segredo de Estado”
Via  Jorge Roriz - http://wp.me/p6Q8u-9OF
Miriam Leitão

...mas, se descoberto, tudo vira pizza

O mercadinho La Palma, a casa de carnes Reisman, a loja de vinhos Wine Company, a peixaria Golfinho e a padaria Cirandinha de Brasília são detentoras de informações que, se divulgadas, ameaçam o Brasil. Houve um tempo em que os militares achavam que risco à segurança nacional era tudo que fosse contra o regime. Hoje, segurança nacional é invocada para encobrir extravagâncias da Presidência. Nunca se saberá no Brasil, pelo visto, o que é realmente segurança nacional.
A Amazônia devastada, a violência urbana, a persistência do analfabetismo que ainda hoje flagela três milhões de jovens, a ocupação de parte do território do Rio pelo tráfico de drogas, nada disso ameaça a pátria brasileira.
Os que exercem o poder têm interpretações exóticas sobre o tema. No passado, achavam que a ameaça vinha do pensamento divergente. Era uma idéia absurda. Hoje acham que ameaçador é informar os gastos com cartões feitos pelos funcionários que servem ao presidente da República e a seus filhos. E a interpretação é um escárnio.
Sérgio Porto, o Stanislaw Ponte Preta, autor do saudoso “Festival de Besteiras que Assola o País — Febeapá”, não teria muito trabalho no Brasil de hoje para encontrar as sandices políticas que alimentavam seu humor. Bastaria conferir, por exemplo, o que disse o Planalto sobre os R$ 205 mil gastos por três funcionários em guloseimas e bebidas caras para alimentar o presidente e seus convidados, nos momentos não previstos nas compras normais da cozinha presidencial.
Segundo o Planalto, a divulgação dessas informações “pode facilitar atos de terrorismo”.
Pede-se à ministra Marta Suplicy que vá ao Planalto e repita ao Gabinete de Segurança Institucional e à Casa Civil, responsáveis por essa interpretação, o que ela disse na Europa, quando se falou que no Brasil havia muita violência e por isso não era um país seguro.
“Pelo menos lá não tem terrorismo”, gabou-se.
Talvez a ministra tenha relaxado um pouco prematuramente. A convicção da Presidência é que, se, um ano depois, os gastos com comes e bebes presidenciais forem divulgados, se saberá “quantas pessoas estão envolvidas”, e isso é que facilitaria os atos de terrorismo.
Ameaça também a segurança nacional saber que um dos seguranças de Lurian, a filha do presidente, gastou R$ 55 mil em cartões, uma média de R$ 6 mil por mês.
A Presidência está sob constante risco e ameaça.
Dos quase R$ 5 milhões gastos pela Presidência em cartões corporativos em 2006, só R$ 100 mil tinham nota fiscal porque o resto, segundo o Planalto informou ao Tribunal de Contas da União, era de despesas cuja divulgação ameaça a segurança nacional.
Mas podem os brasileiros dormir tranqüilos porque todas essas ameaças estarão conjuradas, em breve, pelos nossos bravos defensores da segurança nacional. O Gabinete de Segurança Institucional já informou que a divulgação dos gastos pelo portal Transparência foi uma “transgressão” e que os “responsáveis pela divulgação responderão a processos administrativos”.
A assessoria de imprensa do Planalto também já avisou que não comentará os gastos do funcionário de Lurian, porque não comenta nada que ameace a segurança do presidente e de sua família.
Quando estourou o escândalo da ex-ministra Matilde Ribeiro, o governo anunciou que, em resposta, aumentaria o uso dos cartões, mas limitando os saques em dinheiro vivo, que, só no ano passado, foram de R$ 44 milhões, feitos pelos que usam o cartão de crédito pago com o dinheiro dos contribuintes. O ministro da Controladoria-Geral da União, Jorge Hage, afirmou que o risco era o uso do cartão para fraudar a Lei de Licitações. Mais uma das suas costumeiras confusões de interpretação.
O pior problema, que, até agora, ninguém do governo deu mostras de ter entendido, é o abusivo desrespeito ao limite entre o público e o privado.
O mesmo desrespeito que se viu em outros flagrantes deste governo, como o do episódio em que um filho do presidente convidou os amigos para, a bordo de um avião da FAB, irem para Brasília, onde usaram o Palácio da Alvorada como colônia de férias. Na época, a imprensa perguntou se realmente havia sido usado o avião da Força Aérea Brasileira para transportar os jovens em seus folguedos de férias, e o Planalto se negou a dar a informação.
Mas os próprios jovens, ao divulgarem na internet a foto de todos ao lado do avião, deixaram claro o flagrante de uso privado de recursos públicos.
Matilde, quando admitiu apenas “um erro administrativo”, mostrou que também não entendeu o que há de errado em usar o cartão pago pelos contribuintes até em dias de folga.
Os gastos com cartão corporativo estão tendo um aumento explosivo — 800% nos últimos cinco anos, chegando a R$ 75 milhões — e o governo quer ampliá-los. A divulgação dos gastos feitos por funcionários da Presidência foi considerada um atentado à segurança nacional, e os responsáveis serão punidos. O erro não foi o gasto; o erro foi divulgá-lo. E o portal Transparência fica assim avisado de que a máxima de Delúbio Soares — “transparência demais é burrice” — impregnou todo o governo”

LINK ME
BannerFans.com


Nenhum comentário :

Postar um comentário

Você poderá deixar aqui sua opinião. Após moderação, será publicada.

Contador de caracteres