“É livre a manifestação do pensamento e da expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, sendo vedado o anonimato. (CF 88).”

27 de out de 2010

PT sempre vai para o lado dos amigos e os demais que se ralem

______________________


“Durante dois mandatos, o deputado estadual Raul Pont (PT) foi um combativo opositor do governo do Estado”.
“Com a eleição de Tarso Genro (PT) em primeiro turno, ele se prepara para trocar de lado” (Boletim Raul Pont)
...e faz o que bem entende!
“Marilena Chaui, petista freqüentemente confundida com professora de filosofia, afirmou ontem, num comício ilegal em defesa da candidata Dilma Rousseff, realizado dentro da USP, o que é proibido — e nem a autonomia universitária lhe dá licença para isso” Reinaldo Azevedo

Marilena Chauí alerta sobre atos de violência para culpar PT

São Paulo – A filósofa Marilena Chaui denunciou nesta segunda-feira (25) uma possível articulação para tentar relacionar o PT e a candidatura de Dilma Rousseff a atos de violência. Ela afirmou, diante de um público de quase 2 mil pessoas, que soube de uma possível ação violenta que seria montada para incriminar o PT durante comício do candidato José Serra (PSDB) na próxima sexta-feira (29).
Segundo Marilena, a promessa dos participantes da suposta armação seria de "tirar sangue" durante o comício. As cenas seriam usadas sem que a campanha petista tivesse tempo de responder. "Dois homens diziam: 'dia 29, nós vamos acertar tudo, vamos trazer o pessoal vestidos com camisetas do PT, carregando bandeiras do PT e vão atacar pra tirar sangue, no comício do Serra", reafirmou a filósofa, em entrevista à Rede Brasil Atual. "É preciso alertar a sociedade brasileira toda, alertar São Paulo e alertar os petistas", pediu Marilena. A ação estaria em planejamento em um bar de São Paulo, no final de semana. 

26/10/2010
UM CASO DE FORMAÇÃO DE QUADRILHA (I)MORAL!!!

Marilena Chaui, petista freqüentemente confundida com professora de filosofia, afirmou ontem, num comício ilegal em defesa da candidata Dilma Rousseff, realizado dentro da USP, o que é proibido — e nem a autonomia universitária lhe dá licença para isso —, que os próprios tucanos promoveriam um tumulto na manifestação em favor da candidatura do tucano José Serra, que ocorrerá no dia 29, para culpar depois os petistas.
Já escrevi a respeito. É um escândalo que alguém na sua posição se preste a esse papel. Agora leiam o que informa o Estadão Online:
*
O Diretório do PT em São Paulo fez hoje, na Polícia Civil, boletim de ocorrência de preservação de direitos para tentar evitar que o partido seja responsabilizado por eventuais tumultos em atos de campanha do PSDB nesta semana, a última da campanha eleitoral para a Presidência da República.

Segundo o presidente do PT paulista, deputado estadual eleito Edinho Silva, a decisão foi tomada após militantes e a filósofa Marilena Chauí denunciarem, desde ontem, possíveis articulações para ligar a campanha de Dilma Rousseff (PT) a um tumulto nos últimos eventos de José Serra (PSDB). Um conflito, segundo essas supostas denúncias, ocorreria durante a caminhada prevista para sexta-feira, 29, em São Paulo.

“Nós recebemos denúncias de que iriam infiltrar falsos militantes petistas na caminhada de Serra na sexta-feira e a primeira coisa que fizemos foi registrar um boletim de ocorrência para denunciar e evitar que nenhum acontecimento seja utilizado na disputa eleitoral”, disse Edinho. Ainda segundo ele, uma caminhada com lideranças petistas de São Paulo, prevista para as 11 horas da próxima sexta-feira, nas ruas centrais da capital paulista, foi transferida para as 16 horas “para evitar qualquer tipo de problema”.

Edinho afirmou que toda a militância do PT foi orientada a evitar qualquer tipo de confronto e de provocação dos adversários. Para exemplificar o que classificou de “provocação”, o petista lembrou da carreata tucana que se encontrou com a do PT em Diadema no último sábado. “A carreata veio por cima da nossa atividade e os próprios militantes tiveram de fazer um cordão de isolamento para evitar o confronto”, afirmou.
Comento
É o mais escancarado jogo sujo! Marilena estava executando ontem apenas parte da operação. Esta “intelectual antimídia” sabia que lhe dariam trela, anunciando o complô. E Edinho Silva faz, então, a segunda parte, com esse ridículo BO de “preservação de direitos”.
Nunca se viu nada assim!
A única evidência que se tem da suposta conspiração é a palavra cheia de credibilidade da militante Marilena Chaui!!! A gente não pode confiar nem no que esta senhora fala sobre Spinoza (que ela chama Espinosa), já que ela é especialista em obrigar os filósofos a confessar o que ela quer que confessem. Imaginem Marilena fazendo jornalismo investigativo.
E cumpre notar: ao fazer tal pantomima, o PT sugere que a confusão de Campo Grande, no Rio, protagonizada inequivocamente por petistas, foi responsabilidade dos tucanos. Não aprecio essa gente, vocês sabem. Mas sinto vergonha por eles. Imagino Marilena Chaui, hoje, ao saber da decisão do seu partido. Deve ter experimentado aquela sensação de dever cumprido. É de abismar!
Então ficamos assim agora: se os tucanos forem vítimas de baderneiros, já sabemos duas coisas de antemão: as vítimas são as culpadas (como no caso da agressão a Serra) a menos que provem o contrário; os petistas são inocentes ainda que se prove o contrário. 
O episódio, parece-me, serve de emblema do petismo, que se caracteriza por uma escandalosa inversão moral. As vítimas do partido são sempre culpadas. Culpadas de quê? De existir, ora essa!  
Por Reinaldo Azevedo

Meu comentário:  a agressão já estava planejada?  A professora ficou sabendo por quem?  Quem eram os homens, qual o bar?

Leia também: http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/uma-vigarice-de-dimensao-verdadeiramente-historica-a-farsa-petista-da-camiseta-dos-sequestradores-de-abilio-diniz/

Raul Pont: Contratos de Yeda para PPPs não são éticos
Confira a entrevista do presidente do PT/RS, deputado estadual Raul Pont, ao jornalista Igor Natusch do jornal eletrônico Sul21.

Raul Pont: “Contratos de Yeda para PPPs não são éticos”

Durante dois mandatos, o deputado estadual Raul Pont (PT) foi um combativo opositor do governo do Estado. Na Assembleia, fiscalizou e criticou as administrações de Germano Rigotto (PMDB) e de Yeda Crusius (PSDB). Com a eleição de Tarso Genro (PT) em primeiro turno, ele se prepara para trocar de lado e atuar na defesa do governo estadual. Membro fundador do Partido dos Trabalhadores, deputado estadual nos tempos da Constituinte, ex-prefeito de Porto Alegre, secretário-geral do PT nacional entre 2005 e 2007, Raul Pont viveu como poucos os altos e baixos da trajetória petista no Rio Grande do Sul. Hoje, ao mesmo tempo em que comemora a votação de Tarso e a própria reeleição para a Assembleia, Pont se engaja em uma disputa de importância nacional: a candidatura de Dilma Rousseff (PT) à Presidência da República, o que não quer dizer que o deputado petista tenha perdido o foco das questões regionais.
Continue lendo em: http://www.raulpont.com.br/noticias/detalhe/raul-pont-contratos-de-yeda-para-ppps-nao-sao-eticos.

Está notícia sobre Raul Pont me foi enviada  por assossores de Raul Pont:
Boletim Raul Pont: Raul Pont
responder a      Raul Pont raulpont@raulpont.com.br
******
O prédio penhorado
ÔÔÔUUU!!!  Deputado Raul Ponte!  Então, o senhor, “Durante dois mandatos”,(...) foi um combativo opositor do governo do Estado” gaúcho?

Entretanto, quando Prefeito do Município de Porto Alegre/RS,  o senhor não fiscalizou o trabalho se deus servidores  na aquisição do imóvel da Rua Jerônimo Coelho, 254, que não teve o contrato de compra e venda assinado devidamente; tampouco foi registrado e a escritura do imóvel também não foi efetivada ( registrada em cartório ou em qualquer outro local) antes de eu efetuar o registro da penhora do referido prédio.

Como fica então, senhor Raul Pont?  O senhor fiscaliza governos que não são do seu partido, mas na sua casa nada é fiscalizado? E quem não é PT que se dane?


LINK ME

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Você poderá deixar aqui sua opinião. Após moderação, será publicada.

Contador de caracteres